Perguntas e Respostas

Neste capítulo colocamos as respostas recolhidas às questões feitas ao professor Paulo Simões.


Questões colocadas ao Professor Paulo Simões
Perguntas
Resposta
1 – Qual é a sua abordagem pedagógica ao eLearning? Como é que concebe, organiza e apoia a aprendizagem?
Do meu ponto de vista, toda a abordagem pedagógica que se possa fazer ao eLearning é contextual. Apesar ser passível de se encontrar pontos comuns entre vários contextos de aprendizagem a fórmula para o sucesso nunca é a mesma.
No entanto, da minha experiência pessoal, julgo que o professor/formador online é um elemento chave numa adequada abordagem pedagógica.
É possível ter um conteúdo programático extraordinário, ter recursos interactivos de altíssima qualidade, mas se o facilitador, não for um elemento muito atento, extremamente disponível, com enorme capacidade de adaptação ao grupo de formandos e aos novos desafios que lhe forem surgindo não haverá possibilidade de sucesso na componente pedagógica do curso.
2 - De acordo com a sua experiência, que dificuldades existem na implementação e aplicação das suas práticas pedagógicas em eLearning?
Podemos identificar três fatores que considero cruciais e que dificultam a implementação a aplicação das práticas pedagógicas:
- Falta de competências tecnológicas do formador/professor

- Dificuldade do formador/professor em se adaptar ao desenrolar das atividades
- Falta de disponibilidade do facilitador para atender às dúvidas dos alunos

Questões colocadas ao Professor Paulo Simões
Perguntas
Resposta
3 – Pode citar 2 exemplos de princípios de actuação que, na sua opinião, constituam boas práticas e cuja implementação deva ser recomendada?
Dois princípios que considero essenciais: A transparência e a construção de uma identidade em rede. São dois exemplos de princípios, que, do meu ponto de vista, estão intimamente ligados e que podem ser fazer a diferença entre uma aprendizagem efetiva ou não.
A transparência, da qual o Prof. Morten Paulsen é também um fervoroso adepto, consubstancia-se na exposição pública consentida dos materiais e recursos produzidos em determinado contexto formativo. A visibilidade dos conteúdos produzidos proporciona a possibilidade de se estabelecerem contactos com potenciais interessados na temática, permitindo a criação de redes de aprendizagem que ultrapassam as "paredes" da sala de aula virtual.
Por outro lado, a construção de uma identidade em rede, permite, quer ao professor, quer ao aluno, dependendo do nível pessoal que cada qual já atingiu, usar as suas ligações para potenciar a sua aprendizagem, utilizando os seus contactos preferenciais, já anteriormente construídos.
4 – Em que é que as práticas pedagógicas em eLearning são diferentes das práticas pedagógicas tradicionais?
Acima de tudo, as práticas pedagógicas em eLearning deveriam permitir um elevado grau de flexibilidade.
A flexibilidade de alunos e professores gerirem o seu tempo é uma alteração significativa que só é possivel se usarmos as novas tecnologias internet.
No entanto, práticas pedagógicas sustentadas em comunicação síncrona retiram essa flexibilidade e são constrangedoras de autonomia. Considero que as práticas pedagógicas em eLearning devem assentar, preferencialmente em formatos assíncronos que permitam por um lado aumentar o grau de autonomia e de gestão do tempo dos alunos e aproveitar o potencial das novas tecnologias de informação e comunicação.

Questões colocadas ao Professor Paulo Simões
Perguntas
Resposta
5 – De que modo é que o nível médio de «proficiência tecnológica» de uma turma ou grupo influencia as suas decisões em termos das práticas pedagógicas adoptadas?
Qualquer grau de competência tecnológica condiciona as práticas pedagógicas. É uma das géneses pelo qual considero que a prática pedagógica a implementar é contextual. No entanto é possível ao professor definir requisitos básicos que os alunos devem possuir e quais as competências que devem adquirir, independentemente do seu grau de "proficiência tecnológica". Dessa forma deverão ser definidas etapas obrigatórias e facultativas com diversos grau de dificuldade para que seja possível cada qual definir o seu percurso formativo.
6 – De que forma as redes sociais alteram, complementam ou dificultam as práticas pedagógicas do eLearning?
As redes sociais quando usadas em contexto profissional, seja ele formal ou informal, podem amplificar as práticas pedagógicas. Não considero que alterem, complementem ou dificultem. Julgo que amplificam dado que, tal como já referi em respostas anteriores, permitem abrir o ambiente virtual formal a contextos exteriores ao grupo acabando por lhe dar uma maior visibilidade.

A aprendizagem através do recurso a redes sociais pode e deve servir como complemento ao espaço formal e só em casos muitos especiais substitui-lo.
Considero que as redes sociais são, em primeira instância, veículos de aprendizagem informal e como tal é assim que devem ser usadas, nunca devendo o professor e a instituição de ensino/formação esquecer que elas existem e que podem ser parte integrante da estratégia a implementar.